segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Fordlandia o sonho de Henry Ford no Brasil



Fordlândia

Essa é uma das cidades abandonadas mais bonitas que conheço. Fica no estado em que nasci, no Pará, um gigante amazônico. 

Sua história é fantástica gira em torno do grande Henry Ford, o fabricante dos carros americanos mais populares da época -1908 - o Ford Model T. Ele praticamente criou o estilo "carro popular", porém, sua produção era ditada pela Inglaterra que dominava a produção de borracha, material básico na produção de seus automóveis.
A necessidade de escapar do monopólio inglês fez Henry Ford alimentar um sonho que se tornaria, em sua vida, um pesadelo. 

Em 1923 ele veio pessoalmente e negociou com o governo do Pará uma concessão de uma área de 1 milhão de hectares às margens do Rio Tapajós e desse um milhão Ford literalmente queimou 1% para poder construir seu sonho: uma cidade que abastecesse com matéria prima (borracha) suas produções de pneus em Detroit, longe do monopólio inglês e no lugar mais propício para a produção da matéria base. A região ficou conhecida depois que os britânicos levaram de lá mudas da árvore da borracha e plantaram em suas colônias, dominando assim a produção e o comércio de pneus. 

Depois do terreno todo nivelado, as casa foram literalmente colocadas em seus lugares por guindastes. A cidade inteira foi transportada por navios dos EUA até o Pará.
A proposta da cidade Ford era muito mais que um mero acampamento para seus operários. Quando se soube da notícia da empresa se estabelecera na região e estaria contratando pessoas para compor seu quadro de empregados, apareceram pessoas de todos os cantos do país. Caboclos da região amazônica, nordestinos e brasileiros de outras regiões experimentaram um estilo bem diferente do que estavam acostumados. 

Fordlândia oferecia casas para todos os funcionários, dos tiradores de borracha aos profissionais americanos que vieram e criaram suas famílias nesse lugar. Mas nem tudo eram flores. Como eu disse, os planos de Ford iam muito além de um simples alojamento. Ele impôs a cultura americana - comida, hábitos, música e pensamento - aos seus empregados, e esse foi seu grande erro. Imagina só o caboclo amazônico, que produzia e tirava toda sua dieta alimentar da natureza, ter que, por obrigação, comer comida enlatada americana, vestir uniforme, frequentar bailes de dança ao ritmo de jazz, ir à missa evangélica, trabalhar de carteira assinada, ter horários rígidos e fixos - para almoço, jantar, café da manhã, para dormir, acordar - tudo isso na metade da década de 20. Pra ter uma ideia melhor, as idéias sobre confinamento e trabalho que Henry tinha serviram de inspiração aos campos de concentração de Hitler.

Foi um choque cultural enorme, e logo começaram a aparecer os conflitos entre os trabalhadores e os diretores. Algumas revoltas aconteceram, muitos trabalhadores foram embora e como se não bastasse tudo isso ainda teve a peste que assolou as plantações de seringueira de Ford. 

O que Henry não sabia, mas que era de notório conhecimento de toda aquela população que havia lá, era que a seringueira não pode ser plantada em regime de monocultura, pois sem a proteção da floresta, seu habitat natural, ela fica totalmente vulnerável à sua pior praga. Resultado: as árvores morreram aos milhares e Ford abandonou Fordlândia. Abandonou a cidade e foi para a outra margem, construiu Belterra e plantou mais seringueiras.

Como já se sabia, a monocultura de seringueira não deu certo novamente e pouco a pouco todos os americanos voltaram ao seu país. Frodlândia e Belterra foram entregues ao governo brasileiro com tudo o que tinha. Em seguida houve o saque de tudo de valor que os americanos deixaram, feito pelos próprios governantes e pela população. Urubus em cima da carniça.

Hoje em dia a Fordlandia tem alguns habitantes mais a maioria está abandonado mais ainda a alguns moradores na região.

Algumas fotos da Fordlandia logo abaixo :









































Nenhum comentário:

Postar um comentário